22 de março de 2008

Não gosto de me prender à formas...

Soneto livre


Queria escrever um soneto

Não sei como iniciar

E por pura preguiça

Deixei um quarteto acabar


As palavras fluem soltas

Sem qualquer conexão

Já se acabou a estrofe

Vou para os tercetos então


Inicio mais um verso

Não sei nem como começo

Tal enredo alinear


Idéias jogadas ao vento

E mais rápido que o pensamento

O poema vai terminar.


Vocês não vão acreditar aonde eu fui ontem...depois de uma matéria como aquela, poder ver tudo ao vivo foi maravilhoso!
Boa páscoa e muita Alegría pra todos!

3 comentários:

fernando disse...

Deixa o soneto pra lá
e vem aki me beijá!

Vinícius Gonçalves de Andrade disse...

Também gostei do seu blog, Carol, e é muito bom saber que você também gosta de prosear, e espero que goste tanto na escrita quanto na fala e tudo o mais. Como disse em uma das postagens, sou melhor na escrita e descobri que o lugar ideal da poesia não é o blog, mas abro uma excessão para apreciar o seu e tantos outros, que estão aí independendo de opiniões ranzinzas como a deste velho poeta (risos). Quero-a, se não for pedir muito, na minha comunidade: http://www.orkut.com/CommMsgPost.aspx?cmm=47055833. Seria interessante interagirmos mais, nós, os blogueiros de Guarulhos (risos). Abraços.

O Profeta disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.