9 de novembro de 2007

Um poema para pensar (que título óbvio não?)

Filósofo amador

Vou à cozinha e me sirvo de café
Sento-me e olho
Esta tarde completamente cinza
E começa nela
A minha viagem sem fim
Sem começo
Sem volta

Um rosto não sai dos meus pensamentos
Entretanto não é o seu
É um rosto novo
E ao mesmo tempo familiar
Sua expressão me faz sorrir e chorar
Simultaneamente

Continuo pensando
E, sem querer, concluo
Que este rosto está aqui
Devido à ausência de ti
Minha vontade agora
É levantar dessa cadeira
Jogar meu café na pia solenemente
Sair pela tarde gris

Está comprada a passagem de volta.

3 comentários:

Mariana Duarte disse...

Oie...

Então, achei o seu, vendo um comentário seu no Blog de uma amiga minha! ...Se eu não me engano foi no Intropectivo!

Belo texto, fantástico! ...

Bjos

D y a n e P r i s c i l a disse...

Linda poesia!

Beijãoooo!

fernando disse...

meu amor...cada dia escrevendo melhor...tomara q vc esteja voltando pra cá!!!